Windows


                                                                     
A exposição foi prorrogada atê o dia 19 de dezembro de 2017 - Visite-a!

                                                     

Como os sonhos

Imagem relacionada

"As cidades, como os sonhos, são construídas por desejos e medos, ainda que o fio condutor de seu discurso seja secreto, que as suas regras sejam absurdas, as suas perspetivas enganosas e que todas as coisas escondam outra coisa."

                                                   Fragmento de As cidades invisíveis de Ítalo Calvino

Poeira

As mil e uma noites de Edith Dekyndt  está situada na última sala do Arsenale, onde fornece um postscript contemplativo para o espetáculo. No desempenho, uma pessoa varre um tapete grosso de poeira ao redor de uma sala escura, de modo que fique dentro de um retângulo da luz emitida por um projetor aéreo. À medida que a artista escova metodicamente, nuvens etéreas de poeira branca se agitam na sala mal iluminada. O efeito é fascinante, inspirando meditações sobre impermanência e transitoriedade; simultaneamente, emergem pensamentos de mortalidade (poeira como uma alusão à morte) e misticismo (alimentado pela alusão do título a tapetes mágicos). Veja mais.

Texto de: Alexxa Gotthardt e  Scott Indrise



Sutileza e Beleza


Para a publicidade de seu livro Botanicum, trabalhando com o designer de movimento James Paulley,  Katie Scott criou duas animações sem interrupção para o Publicis London HQ. As animações evoluem lentamente ao longo do tempo, criando um sutil sentido de movimento em seu fantástico trabalho de botânica. Isso traz uma intrigante sensação de mudança para o espaço em que ele é exibido.

O Haver

Resultado de imagem para .vinicius de moraes


Resta esse constante esforço para caminhar dentro do labirinto 

Esse eterno levantar-se depois de cada queda 

Essa busca de equilíbrio no fio da navalha 

Essa terrível coragem diante do grande medo

Esse medo Infantil de ter pequenas coragens.








Esculturas ecológicas



O escultor Martin Hill começou a criar na natureza a princípios de 1990,.trabalhando em estos projetos com Philippa Jones. Hill está radicado na Nova Zelandia e tem realizado vários tipos de padrões circulares com diversos materiais. Frequentemente  utiliza neve, gelo, galhos, areia, plumas, pedriscos, etc. De muitos de seus trabalhos, em pouco tempo, só restam as fotografias.  Veja mais


Um presente da Finlândia


"Com cenários exuberantes - alguns são tão bonitos que chegam a parecer pinturas - e trilha sonora muito bem escolhida - com composições de nomes como Offenbach, Chopin, Beethoven eHaydn - essa pequena pérola é diminuta até no tamanho: 75 minutos. Como é de praxe no cinema europeu, não vemos rostos bonitos ou corpos esculturais e muito menos imagens feitas em computador. A força de uma película desse tipo está nas interpretações naturalistas, nos silêncios que muito dizem, na trilha bem pontuada, nas emanações singelas, na delicadeza dos gestos, no olhar tocante. Jacob e Leila construirão uma impactante trajetória juntos até o magnético e surpreendente desfecho, que não precisará de grandes reviravoltas ou soluções estapafúrdias para deixar qualquer espectador arrebatado. Uma pequena aula de cinema. "Fonte